Reconheço a validade do silêncio, principalmente quando não se tem nada de útil para dizer, ou se é inapropriádo ou, simplesmente, quando da nossa boca não sai outra coisa que não estupidez...sábio antigo outrora disse, "não deixes que a língua ande à frente do pensamento", mais de dois mil anos depois, ainda é atual...

 O refrear da língua revela sabedoria, tarefa nada fácil e quem fôr hábil no seu domínio revela facetas de crescimento e de amadurecimento, reconheço-o!Mas, existem momentos, situações, ocasiões na vida em que o silêncio não é " de ouro", é mais de "latão"!
 
 Martin Luther King disse, qualquer coisa como isto: "não temo o grito dos maus mas, o silêncio, dos bons", aí está o reluzente latão a demonstrar o seu valor por oposição ao "por qué no te callas" muitas vezes necessário.

 Não suporto silêncios complacentes nem condescendentes à injustiça, seja ela qual fôr, as palavras podem matar mas, os silêncios também, é dificil ouvir a voz de uma revolta silênciosa que muitas vezes é capaz de sentenciar a culpa por receio de evidenciar a verdade, simplesmente, deixando-se ouvir...
 Existem tempos para silêncios e outros para falar, não fales a destempo mas, quanto for tempo...não te cales...!

2 comentários:

  1. Nicitah says:

    Por muito ruído que se faça... o culminar é silêncio.
    O acto de silenciar é uma constante aprendizagem...
    Quem dera que se aprendesse mais... Seria bem mais saudável...

  1. Ruben Bap says:

    Sim, tem toda a razão, nascemos a fazer barulho e, invarialvelmente, findamos em silêncio...

Enviar um comentário

Com tecnologia do Blogger.
Loading...

Porto de Mós

Porto de Mós
A "minha" praia e a minha foto!

Sobre Mim

A minha foto
Não pretendo falar muito de mim, vou deixar que as palavras falem e, consequentemente os atos!


Para quem procura, para quem encontra, para quem cai, para quem se levanta...

Não sei o que me leva, nem o que me traz, sei simplesmente que urge, não fazer o que me apraz!

Muitas vezes sou levado pelos impetos do imediato, da satisfação momentânea do devaneio, sem atribuir às consequências qualquer peso de uma consciência obesa.

Diz-se,"ano novo,vida nova", se espero por um dia igual aos outros, para pensar em alterar uma vida desregulada, sinto que defraudo quem acredita, decide e age todos os dias... vou tentar sair da lama e mudar, vou tentar hoje, o amanhã não me pertence...

A quem bate... quem procura...

A quem bate... quem procura...
...se abre, encontra...

Followers